Os sonhos de Nipsey Hussle eram maiores que o hip-hop


Ele era um homem com ambições de reinvestir em sua comunidade e mudar uma cultura do capitalismo negro em South L.A. Sua morte aos 33 anos é um lembrete cruel de que as ruas estão sempre observando.



Um banner de Nipsey Hussle foi esticado em um exterior do Baldwin Hills Crenshaw Mall. Ele esteve lá durante a maior parte do ano e é fácil de ver se você estiver percorrendo o trecho irregular da estrada que canaliza o passeio de Martin Luther King Jr. pela Crenshaw Boulevard.

No cartaz, Hussle — com um traje preto e óculos de aros dourados, cabelos trançados em trancinhas de precisão — está olhando para cima, com as mãos entrelaçadas como se estivesse rezando ou planejando o próximo passo.

Tendo em vista que a imagem era uma faixa comemorativa de sua sensacional estréia em um selo no Grammy, Victory Lap — um disco que o levou de um ambicioso perdedor a um dos jogadores mais valiosos do hip-hop da West Coast — é bem provável que sua mente estivesse iniciativas futuras.

No entanto, depois que o repper foi morto a tiros no Domingo, aos 33 anos, o outdoor agora se tornará um monumento a um artista violentamente roubado de sua vida.

Aqui está a coisa para entender sobre Hussle, e por que sua morte é excepcionalmente devastadora não apenas para aqueles de nós que vivem e respiram hip-hop, mas também residem em seu local de nascimento de South L.A. Ele era mais que um repper. (Não que haja algo errado em apenas fazer rep, porque não há.)

Impulsionado por um desejo voraz de reinvestir nas ruas que o criaram e reconstruir a comunidade, Hussle tornou-se um empreendedor, organizador comunitário, ativista e mentor, transformando-se em um repper. Sua morte em frente ao shopping center que ele estava reconstruindo a alguns quarteirões da faixa comemorativa parece particularmente cruel. Na verdade, enquanto escrevo estas palavras, o zumbido de notícias e helicópteros da polícia está entrando em meu escritório.

Ele cresceu na estrada do shopping onde seu rosto agora está no que ele chamou de “a pior casa no melhor quarteirão”. Ele foi traficante, fazendo o que fosse necessário para sobreviver. E sim, ele caiu no lance de gangbanging, alegando lealdade ao notório set dos Crips, Rollin’ 60.

Inatamente, ele despejou o trauma das ruas na música. Hussle foi, sem dúvida, um estudante de progenitores do rep da West Coast, mas o que o garoto de L.A. dos anos 90 não é? Seu flow tinha aquela vibe fresca e sem esforço, e o balanço de Snoop e DJ Quik, assim como a narrativa visceral que ele aprendeu com N.W.A, Ice-T e The Game.

Analise qualquer um de seus trabalhos  há uma década on-line que vale além de Victory Lap — e você verá um homem assombrado pelos rigores de assistir a amigos desistirem, sem mencionar que ele próprio recebeu muitas ligações. Aqueles que cresceram em enclaves esquivando balas e punhos entenderam o que ele estava fazendo, embora ele tenha deixado claro na música: “Damn right, I like the life I built/ I’m from west side, 60 … I might got killed/ Standin’ so tall, they think I might got stilts/ Legendary baller, like Mike, like Wilt” [Droga, eu gosto da vida que eu construí/ Eu sou do lado oeste, 60 … Eu poderia ter morrido/ Sendo tão alto, eles acham que eu poderia ser um pernilongo/ Traficante lendário, como Mike, como Wilt”, ele canta sobre a música que o levou para o público fora de Los Angeles, e agora é sua única oferta de grandes gravadoras.



Hussle fez música para os traficantes de rua e para aqueles de nós que lutam para sobreviver e ele se tornou um herói local por usar a fama e a fortuna que ganhou com o rep e despejá-lo na vizinhança. É fácil torcer para um homem que vendeu cópias de suas mixtapes no estacionamento de um shopping center e virou à direita e abriu uma loja no mesmo shopping no segundo em que podia pagar.

Hussle foi inspirador, enfatizando repetidamente que o sucesso é um meio de tornar as coisas melhores para os menos afortunados e para aqueles que o seguirão. Quando Sonaiya Kelly do The Times o entrevistou no ano passado, ele estava equilibrando a promoção de Victory Lap com a inauguração do Vector 90, um espaço de co-working e centro STEM no distrito de Crenshaw que ele imaginou como um canal entre grupos sub-representados e corporativos parceiros em Silicon Valley e além.

Foi impressionante ver esse tipo de investimento inovador de um músico. Hussle não imaginou apenas uma South Los Angeles, mas ele viu isso como um centro para os pensadores intelectuais mais brilhantes da nação.

A evidência da boa vontade de Hussle é espalhada por toda a Crenshaw. Basta perguntar por lá. Ele era conhecido por comprar sapatos para os alunos. Ele repavimentou as quadras de basquete e os playgrounds. Ele forneceu empregos e abrigo para os desabrigados, e pagou por funerais para aqueles que lutaram para enterrar seus entes queridos. Hussle amava South L.A., tanto que ele fez das ruas de Crenshaw o pano de fundo para uma sessão de fotos glamorosa que ele fez recentemente para GQ — Hussle afiado como um príncipe charmoso para sua princesa, a atriz Lauren London (seu amor nos lembra um jovem Jay-Z e Beyonce).

E esses foram apenas os pequenos feitos. Ele investiu na Destination Crenshaw, um longo período de instalações de arte permanentes e rotativas; ajudou a renovar o World of Wheels, o antigo ringue de patinação da Mid-City que era um dos estabelecimentos responsáveis ​​pelo nascimento do hip-hop da West Coast. Ele foi cedo em reavaliar um shopping center em uma propriedade de uso misto que incluiria apartamentos de baixa renda e seria ancorado por sua própria loja Marathon Clothing.

A propriedade foi comprada no mês passado (Março) como parte de uma iniciativa que ajudaria os locais a reinvestirem em suas comunidades em todo o país. Domingo, tornou-se uma cena de crime e, instantaneamente, um local de luto.

Hussle teve grandes sonhos para o seu bairro, e não é apenas trágico, mas injusto que ele foi cortado no meio da revitalização de uma comunidade que o criou.


Por todas as contas, Hussle estava fazendo a coisa certa. Se nos lembrarmos de algo sobre ele, deve ser esse sentimento de aspiração.





Manancial: Los Angeles Times

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s